quarta-feira, 25 de maio de 2011

Cassiano Ricardo - Mariana nº21

Cassiano Ricardo Leite nasceu dia 26 de julho de 1895, na cidade de São José dos Campos, e morreu, aos 78 anos, dia 14 de janeiro de 1974, no Rio de Janeiro. Ele foi poeta, jornalista e ensaísta brasileiro.
Em 1917, formou-se em direito no Rio de Janeiro. Foi para São Paulo, trabalhou como jornalista, e chegou a criar jornais. Em 1924 criou uma revista modernística, A Novíssima. Em 1928 fez um livro,ilustrado por Di Cavalcante chamado “Martim Cererê”,pode ser chamado também de “mito do Brasil Menino”, seu livro mais conhecido, é baseado no mito do Saci-Pererê, demonstrando um acordo entre os índios, os africanos e os portugueses .Esqueceu das ideias das obras de Plínio Salgado, grande escritor e jornalista brasileiro, Cassiano funda com Menotti del Picchia o grupo da Bandeira, em 1937, neste mesmo ano, entrou para a Academia Brasileira de Letras. No ano de 1950, liderou o Clube da Poesia. Em 1954, foi para Paris dirigir o Escritório Comercial do Brasil. No ano seguinte, resolveu ocupar cargos públicos.
Suas obras, exploram temas nacionais, temas da realidade e do cotidiano.
Apesar de ter escrito um dos maiores classicos da literatura brasileira, Cassiano Ricardo, fazia poesias por própria vontade. Até hoje, sua poesia vem sendo o índice mais expressivo das várias modificações por que tem passado a poesia brasileira nestes últimos cinquenta anos.

Uma de suas poesias mais famosas:


Papagaio gaio

Papagaio insensato,
que te fêz assim?
Que não sabes falar
brasileiro
e já sabes latim?

Papagaio insensato,
ave agreste, do mato,
que diabo em ti existe,
verde-gaio,
que nunca estás triste?

Papagaio do mato,
se nunca estás triste,
quem foi que te ensinou,
por maldade,
a palavra saudade?

Papagaio triste,
papagaio gaio,
quem te fez tão triste
e tão gaio,
triste mas verde-gaio?

Papagaio gaio,
quem te ensinou,
em mais
do mato, a repetir,
papagaio,
tanto nome feio?

Gaio, papagaio,
gaio, gaio, gaio,
que repetes tudo...
Antes fosses
um pássaro mundo.

Papagaio do mato,
se nunca estás triste,
quem foi que te ensinou,
por maldade,
a palavra saudade?

Papagaio, gaio.
Gaio, gaio, gaio.
Outras obras:
Dentro da Noite (1915)
Vamos Caçar Papagaios (1926)
Borrões de Verde e Amarelo (1926)
Martim Cererê (1928)
O Sangue das Horas (1943)
Um Dia Depois do Outro (1947)
Poemas Murais (1950)
A Face Perdida (1950)
O Arranha-Céu de Vidro (1956)
Poesias Completas (1957)
22 e A Poesia de Hoje (1962)
Algumas Reflexões sobre Poética de Vanguarda (1964)
Jeremias Sem-Chorar (1964)

Foto de Cassiano Ricardo.


Livro "Martim Cererê", um dos livros mais famosos de Cassiano Ricardo e Di Cavalcante.

Livro: "Vamos Caçar Papagaios", Cassiano Ricardo

Fontes:
http://www.coladaweb.com/resumos/martim-cerere-cassiano-ricardo

http://pt.wikipedia.org/wiki/Martim_Cerer%C3%AA 

 http://www.jayrus.art.br/Apostilas/LiteraturaBrasileira/Modernismo22/CASSIANO_RICARDO.htm

http://pt.shvoong.com/books/biography/1659719-cassiano-ricardo-vida-obra/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário